<$BlogRSDUrl$>

2004/01/25

É agora, pronto! Raismeparta se não é agora que vou escrever o mais belo poema de todos os tempos,  

disse o poeta, cravando o seu corpo na cadeira, em frente à escrivaninha, puxando para si a folha branca, descobrindo o bico à caneta, vibrando de temerária determinação e incontida coragem.
Mas, ao contrário do que seria desejável, o entusiasmo foi tanto que se despistou logo na primeira curva, estilhaçando a barreira do agora, batendo de frente numa decepção, rebentando-se-lhe uma sinapse - que se desfez em melancolia - e quase capotando.
Fica para a próxima, disse o poeta, por fim, acendendo um cigarro. Aspirou profundamente e soprou-se a si próprio para o ar. (Soprou-se a si próprio para o ar porque podia, quase que aposto…)


Comments: Enviar um comentário

This page is powered by Blogger. Isn't yours?