<$BlogRSDUrl$>

2004/06/29

Sim, é agora! É agora que vou escrever o mais belo poema de todos os tempos,  

disse o poeta saindo da piscina num impulso enérgico, como um golfinho tornado homem, assentando os pés no mármore da laje, erguendo-se, forçando a água (e uma brisa) a escorrer-lhe sobre a pele e sentido estalar no cérebro os suaves acordes do primeiríssimo verso.

Mas, ao contrário do que seria desejável, o sol manteve-se indiferente, lá no pico do céu vibrante, com o seu pesado lastro a consumir o ar, a diluir as sombras em lume brando, sempre a chatear, o filho da mãe!...

Fica para a próxima, disse o poeta por fim, ensaiando um arrojado e vistoso mortal à retaguarda, que o fez regressar, de chapão, ao imenso azul fresco e cintilante. Foi a ponto de aproveitar para, em pleno voo, gritar: iiiiiiiaaaauuugluglugasp!...
(aproveitou para gritar “iiiiaaaaaaauuuuu” etc. porque podia. E porque era giro gritar de pernas para o ar...)


Comments: Enviar um comentário

This page is powered by Blogger. Isn't yours?